Cardiologia em Curitiba | Estudo aponta os riscos do “um pouco mais” na prática de exercícios físicos

December 16, 2016

 

 

O que as pessoas fizeram 1 dia antes de ter o infarto? Este questionamento foi motivo de pesquisa, por isso, recentemente, um estudo realizado em mais de 50 países com mais de 12 mil pessoas que tiveram infarto mostrou características relativas à prática do exercício físico e o nível de stress no dia anterior ao infarto ou no dia em que estas pessoas vieram a ser internadas na UTI.

No estudo abordado, as pessoas resolveram fazer um pouco mais a atividade física do que elas estão acostumadas. Porém, elas não se sentiram bem e acharam até que não seria nada, mas no dia seguinte tiveram como consequência o infarto.

 

No dia em questão, outro grupo de pessoas teve um grau de stress muito diferente do normal na rotina diária, como, por exemplo, a ruptura de um relacionamento, perda de familiar, de emprego ou outra situação também estressante ocasionando o infarto no dia seguinte. Vale lembrar que o stress produz a agregação das plaquetas do sangue e eleva excessivamente a frequência cardíaca, aumenta a pressão arterial e a liberação de hormônios.

 

De acordo com o cardiologista Sanderson Cauduro, da Clínica Cardio&Saúde, “Nem todas as pessoas que se exercitam forte ou que têm um stress muito agudo terão infarto, é preciso que as pessoas tenham um risco para desenvolver o infarto, como estar acima do peso, ser hipertensas, ter diabetes, ter o colesterol aumentado, que não têm em sua rotina diária uma alimentação saudável, que são cronicamente estressadas, estas sim podem ter um risco aumentado. Lembrando que a prática diária de exercícios físicos é recomendada pelos cardiologistas, pois libera hormônios que fazem bem à saúde”.

 

Por isso, antes de começar a fazer uma atividade física é bom ter uma orientação médica e fazer os exames recomendados (check-up). Com isso, a pessoa estará segura para fazer a atividade física e se beneficiará com os ganhos que isso possa trazer, ao invés de ter um risco aumentado. “Hoje em dia existem muitos modismos (exercícios de alto impacto e aeróbicos), e as pessoas acham que podem tudo, mas a recomendação é que ao fazer uma atividade física, esta traga prazer ao praticante, que seja efetuada com moderação e frequência. Por isso é mais importante a frequência do que a intensidade”, finaliza o cardiologista.

 

Serviço:

Para saber mais acesse: Pergunte ao Cardiologista – canal do Youtube.

 

Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2016 Cardio&Saude